Archives quotidiennes :

Uma Brecha Crítica na “Cidade Garantida”? Espaços Intermediários e Arquiteturas de Uso

The Guaranteed City: The Ruin of Urban Criticism?

Marc Breviglieri (2021) – Tradução de Yolanda Gaffrée Ribeiro

Revista Antropolítica, 52, pp. 375-416, Open Access.

Resumo. Este texto consiste na análise de uma dinâmica subterrânea de resistência. Essa dinâmica não surge como uma máxima agressiva, mas sugere a afirmação de uma alternativa àquela que o urbanismo tenta – atualmente em uma escala internacional – controlar, regular e orientar, apoiando-se sobre o princípio de uma cidade garantida, a mesma que gostaria de assegurar a qualidade de suas características, afirmando estar preocupada em compartilhar formas de avaliação. Essa cidade daria, assim, a garantia do que se considera “geralmente” uma circulação fluida, uma qualidade patrimonial, uma boa variedade de comércios, serviços eficazes, um grau de rentabilidade satisfatório aos investimentos etc. Ao oferecer ao citadino um espaço de escolha, essas propriedades da cidade garantida contribuem para o empoderamento (empowerment) do indivíduo, destinado a encontrar os meios de reforçar suas capacidades de autodeterminação. No entanto, a formatação de um espaço referencial e informacional que sustenta a construção da cidade garantida, tende a lhe retirar algumas de suas qualidades sensíveis. A metrópole contemporânea altera, neutraliza e esteriliza os ambientes mais desqualificados, os menos traduzíveis, o gênero daqueles que poderiam dar às cidades uma profundidade perturbadora, tonalidades afetivas cambiantes e oportunidades do desvio sem referenciais.

Extract: “Contudo, uma questão se coloca: como compreender este “indiscutível” e a sentença experimentada pela crítica, de modo a enfrentar esta autoridade estabelecida de forma potente? É preciso agradecer à Laurent Thévenot por ter voltado, explicitamente, a esse ponto que, geralmente, não está presente na crítica ao neoliberalismo e à globalização. Ou seja: a revelação dos seus fundamentos normativos não é suficiente e deve ser acompanhada de “uma viagem mais longa para desvendar os mecanismos inibidores do senso crítico” (THÉVENOT, 2013). Essa viagem supõe analisar, então, um “conjunto de dispositivos normalizadores e autoridades de regulação, ditas independentes e que fogem ao olhar do político e à sua crítica” e, ainda, se veem metabolizados e instrumentalizados em uma verdadeira “governança pelo objetivo” (THÉVENOT, 2013). Nas palavras desse autor, tal governança “reivindica o incontestável”, difundindo a prática de avaliação e o recurso aos indicadores que “qualquer pessoa seria obrigada a aceitar por realismo”, especialmente no caso de um formato bastante consensual: o objetivo mensurável a ser alcançado.” (p. 400)

Abstract. This text focuses on analysing an underground resistance dynamic. This dynamic does not emerge in the form of aggressivity, but rather suggests an alternative to what urbanisation is now trying, on an international scale, to control, regulate and direct by employing the principle of the guaranteed city, that is, a city that seeks to assure us of the quality of its properties and claims to share the evaluation of them. Such a city thus supposedly guarantees what is ‘generally’ thought to be free-flowing traffic, heritage architecture, a good selection of shops, efficient public services, satisfactory profitability for investments and so on. Provided for citizens in a given space, these properties of the guaranteed city contribute to the empowerment of individuals, who are supposed to find there the means of reinforcing their ability to make choices. However, the creation of a referential and information space which underpins the building of the guaranteed city tends to remove from it some of its palpable qualities. Contemporary cities change, neutralise and render bland the most indefinable and most untranslatable of atmospheres, atmospheres that could give cities a disturbing deepness, changing emotional tones, opportunities for wandering without knowing where you are going.

Extract. “However, a question arises: how to understand this « indisputable » and the sentence experimented by the critique, so as to confront this established authority in a potentious way? Laurent Thévenot must be thanked for having returned, explicitly, to this point that is not usually present in the critique of neoliberalism and globalization. That is: the revelation of its normative foundations is not enough and must be accompanied by « a longer journey to uncover the mechanisms inhibiting critical sense » (THÉVENOT, 2013). This journey presupposes the analysis, then, of a « set of normalizing devices and regulating authorities, so-called independent and that escape the gaze of the politician and his critique » and, furthermore, see themselves metabolized and instrumentalized in a true « governance by objective » (THÉVENOT, 2013). In the words of this author, such governance « claims the uncontestable, » spreading the practice of evaluation and the use of indicators that « anyone would be obliged to accept out of realism, » especially in the case of a fairly consensual format: the measurable objective to be achieved. » (p. 400)

Link to the article