Estatísticas sanitárias e interdependência social na Primeira República

Sanitary statistics and social interdependence during the First Republic

Alexandre de Paiva Rio Camargo (2021)

História, Ciências, Saúde – Manguinhos, 28(4), pp. 1007-1035.

Resumo. O artigo analisa o lugar das tecnologias de quantificação na rede formada em torno do combate às doenças, da revolução pastoriana até o movimento sanitarista dos anos 1920. Investiga o papel da demografia sanitária na imposição do modelo pastoriano entre os médicos, seguido da monumentalização estatística das reformas junto a diferentes atores sociais. A teoria do ator-rede de Bruno Latour e os trabalhos de Michel Foucault sobre a governamentalidade são usados para problematizar o conjunto documental formado pelo censo de 1906, artigos e boletins demográficos publicados na imprensa médica, anuários estatísticos e relatórios ministeriais.

Extract: “Uma das grandes lacunas nos estudos sociais e históricos da saúde diz respeito aos modos de raciocinar, categorizar, medir e comparar com números e estatísticas as ciências biomédicas e as políticas de saúde. Como as formas de classificação mediante contagem foram empregadas para impor diagnósticos e definições de situação de médicos e higienistas junto a públicos diversos e heterogêneos, inicialmente refratários às necessidades e aos interesses de uma elite de especialistas? Como os dispositivos de quantificação, como tabelas, gráficos, mapas e diagramas, ajudaram a resolver controvérsias e formar consensos sobre enunciados científicos? Como a produção e a circulação das estatísticas sanitárias pôde iluminar aspectos importantes do desenvolvimento da profissão médica e da construção da doença como um problema público? Inspirando-nos na sociologia da quantificação (Desrosières, 2008; Diaz-Bone, Didier, 2016; Camargo, Daniel, 2021), tentaremos realizar uma primeira aproximação dessa ordem de questões.” (p. 1008)

Abstract. This article analyzes the place of quantification technologies in the network formed to fight diseases, from the Pasteurian revolution to the sanitation movement of the 1920s. It investigates the role of sanitary demography in the imposition of the Pasteurian model among physicians, followed by the statistical monumentalization of the reforms for different social actors. Bruno Latour’s actor-network theory and Michel Foucault’s works on governmentality are used to problematize a set of documents consisting of the 1906 census, demographic articles and bulletins published in the medical press, statistical yearbooks and ministerial reports.

Extract: “One of the great gaps in social and historical studies of health concerns the ways in which biomedical sciences and health policies were reasoned, categorized, measured, and compared with numbers and statistics. How were the forms of classification through counting used to impose diagnoses and definitions of physicians and hygienists’ situations on diverse and heterogeneous publics, initially refractory to the needs and interests of an elite of specialists? How did quantification devices, such as tables, graphs, maps and diagrams, help to solve controversies and form consensus about scientific statements? How could the production and circulation of health statistics shed light on important aspects of the development of the medical profession and the construction of disease as a public problem? Drawing inspiration from the sociology of quantification (Desrosières, 2008; Diaz-Bone, Didier, 2016; Camargo, Daniel, 2021), we will attempt to carry out a first approximation of this order of questions.” (p. 1008)

Link to the article