Quando o público adentra o familiar: oscilações, ambivalências e inospitalidades nas representações do embrião humano

Luís Gouveia & Flávio Alves Martins (2020)

Terceiro Milênio: Revista Crítica de Sociologia e Política, 14(1), pp. 41-69

Resumo. A Procriação Medicamente Assistida (PMA), enquanto domínio de intervenção médica, permite a concretização do projeto parental fora do útero da progenitora, em contexto laboratorial. Na sua trajetória terapêutica, o casal é envolvido no discurso biomédico enquanto formato cognitivo e no conjunto de procedimentos e dispositivos técnicos que servem de suporte ao formato de envolvimento na intervenção clínica, estendendo-se a uma conceção do embrião enquanto recurso mobilizado para o fim último: a concretização da gravidez. Não obstante esse envolvimento em plano, enquanto formato de coordenação da ação, aquilo que é a trajetória terapêutica dos beneficiários é suscetível de se desenvolver em composição com outros formatos atuantes, em particular naquilo que são os vínculos emocionais, de caráter íntimo, que são passíveis de emergir na relação com os embriões. A par das oscilações nos significados atribuídos ao embrião, essas gramáticas mais íntimas são sujeitas a conflituar com as lógicas atuantes dos profissionais médicos, informadas por orientações normativas distintas. A partir de um conjunto de dados recolhidos no âmbito de uma pesquisa de investigação em torno dos significados plurais atribuídos ao embrião humano, pretende-se explorar o modo como essas oscilações nas representações se manifestam, mas igualmente como as tensões entre formatos de envolvimento com o embrião são suscetíveis de eclodir nas trajetórias dos beneficiários na relação com os profissionais de PMA, veiculando, nos juízos que constroem, experiências inóspitas (que eclipsam vínculos mais íntimos) decorrentes de dispositivos (técnicos e relacionais) que moldam o percurso terapêutico.

Extract. “É justamente essa pluralidade compósita dos significados atribuídos ao embrião, evidenciada mediante uma abordagem de cariz pragmático (BOLTANSKI & THÉVENOT, 2006 [1991]; THÉVENOT, 2006), que confere relevância analítica ao olhar sociológico sobre aquilo que os atores — nesse caso, os casais que recorrem à PMA — são capazes de expressar sobre as suas experiências ao longo da respectiva trajetória terapêutica. Acompanhando os seus juízos e lógicas atuantes, importa analisar essa problemática em torno do estatuto ontológico do embrião, explorando, por um lado, a pluralidade de significados e os momentos de oscilação nos significados atribuídos ao embrião, em função das deslocações no tempo e no espaço no decurso da trajetória terapêutica, e, por outro, perscrutando os momentos em que essas oscilações no estatuto atribuído ao embrião (em particular, as vinculações de caráter afetivo com o embrião) são suscetíveis de gerar tensões com os formatos de apropriação do embrião por parte dos profissionais médicos e de que forma essas tensões são ajuizadas e geridas em particular pelos casais que recorrem à PMA.” (p. 45)

When the public enters the familiar: oscillations, ambivalences and inhospitalities in the representations of the human embryo

Abstract. Medically Assisted Procreation (MAP) allows for the accomplishment of the parental project outside the mother’s womb, in a laboratory context. In their therapeutic trajectory, the couple becomes implicated in the biomedical discourse, as a cognitive format, and in the set of procedures and technical devices that support professional’s format of engagement during their clinical intervention, extending to a conception of the embryo as a resource mobilized for the ultimate purpose: the achievement of pregnancy. Despite this engagement in a plan as a format for coordinating action, the beneficiaries’ therapeutic trajectory is likely to develop through compositions with other acting formats, in particular, concerning the emotional bonds (of an intimate nature) that can emerge in the relationship with the embryos. Along with the fluctuations in the meanings attributed to the embryo, the presence of this more intimate grammar is likely to conflict with the acting logics of medical professionals, shaped by different normative orientations. Based on a set of data collected within an ongoing research project about the plural meanings attributed to the human embryo, the aim is to explore how these oscillations in representations are manifested, but also how the tensions between formats of engagement with the embryos are susceptible to occur in the patients’ trajectories along with the interaction with MAP professionals, expressing inhospitable experiences (eclipsing more personal attachments) resulting from devices (technical and relational) that shape their therapeutic path.

Extract. “It is precisely this composite plurality of meanings attributed to the embryo, evidenced through a pragmatic approach (BOLTANSKI & THÉVENOT, 2006 [1991]; THÉVENOT, 2006), that gives analytical relevance to the sociological look on what the actors – in this case, couples that resort to MAP – are able to express about their experiences along their therapeutic trajectory. Accompanying their active judgments and logics, it is important to analyze this problematic around the ontological status of the embryo, exploring, on the one hand, the plurality of meanings and moments of oscillation in the meanings attributed to the embryo, according to the displacements in time and space during the course of the therapeutic trajectory, and, on the other hand scrutinizing the moments in which these oscillations in the status attributed to the embryo (in particular, the bonds of an affective nature with the embryo) are likely to generate tensions with the formats of appropriation of the embryo by medical professionals and how these tensions are judged and managed in particular by couples resorting to MAP. ” (p. 45)

Link to the article

Download link